Prefeitura anuncia repasses e Santa Casa retoma atendimento

Após mais de 10 dias em greve, os 400 funcionários da Santa Casa de Misericórdia em Cuiabá devem retornar aos trabalhos na segunda-feira (26).


 


O pagamento dos salários referentes aos meses de novembro e dezembro de 2017 não foram feitos e, por isso, os trabalhadores decidiram cruzar os braços.


 


A Prefeitura de Cuiabá entrou em um acordo com a instituição, que reuniu os trabalhadores, na tarde de quinta-feira (25), e prometeu regularizar o pagamento.


 


No acordo assinado com os trabalhadores, a direção da Santa Casa se comprometeu a quitar o salário referente a novembro nesta sexta-feira (26), por meio de cheque.


 


Com isso, a previsão é de que, na segunda-feira, o pagamento deverá estar na conta dos funcionários.


 


O salário de dezembro, segundo a direção do hospital, deve ser pago no dia 2 de fevereiro.


 


Caso o acordo não se cumpra, os funcionaram garantem que a greve seerá retomada na sexta-feira (2).


 


O acordo foi assinado pelo presidente do Sindicato dos Empregados em Estabelecimento de Serviço de Saúde do Mato Grosso (Sessamt), Sidney Pedroso, e pelo presidente da Santa Casa, médico Antônio Preza.


 


Segundo o dirigente, o atraso salarial é decorrente da falta de repasses por parte do Governo do Estado.


 


O passivo é de aproximadamente R$ 7 milhões, referentes aos serviços de Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) e outros.


 


Greve dos filantrópicos


 


Seis hospitais filantrópicos de Mato Grosso suspenderam novos atendimentos em UTIs, alegando falta de repasses de recursos financeiros.


 


A Federação das Santas Casas e dos Hospitais Filantrópicos do Estado de Mato Grosso (Fehosmt) exige que o Governo do Estado repasse R$ 33 milhões, para que as unidades restabeleçam o atendimento normal. 


 


A Fehosmt representa estabelecimentos filantrópicos do Estado, como Santa Casa, Hospital Santa Helena e Hospital Geral, em Cuiabá; Hospital São Luís, em Cáceres; Santa Casa de Rondonópolis e Hospital Santo Antônio, em Sinop, que paralisaram os serviços relativos a UTIs nos últimos dias.


 


Segundo a presidente da federação, Elizabeth Meurer, um acordo tácito havia sido estabelecido entre Governo e instituições, em novembro passado, para repasse de recursos para as unidades.


 


O governador de Pedro Taques (PSDB) no entanto, não garante o repasse do montante.


 


Os R$ 33 milhões deverão ser retirados das emendas parlamentares, no valor de R$ 156 milhões, que, no entanto, ainda não foram pagas.

Inscreva-se