Hospitais têm superlotação, remédios vencidos e higiene precária

Medicamentos vencidos há mais de três meses, superlotação, pacientes sendo atendidos em macas baixas por falta de leitos, condições precárias de higiene e estrutura, além de profissionais atuando ilegalmente.

 

Essas foram algumas das irregularidades encontradas em 17 unidades de saúde de Cuiabá, Várzea Grande, região metropolitana da Capital, e Sinop (a 503 km de Cuiabá) durante vistoria técnica dos conselhos Regional de Enfermagem (Coren-MT) e Federal de Enfermagem (Cofen). (Veja o relatório completo no final da matéria).

 

As visitas técnicas foram realizadas entre os dias 28 de janeiro e 1º de fevereiro.

 

O Pronto Socorro de Cuiabá é uma das unidades onde remédios vencidos foram encontrados pela equipe. Segundo o relatório enviado pelo Corem-MT, além de medicamentos fora do prazo de validade, um paciente em estado grave também foi flagrado recebendo atendimento em uma maca improvisada no chão, por falta de leito na unidade.

 

No hospital, materiais de uso diário dos pacientes também foram encontrados próximo à local de expurgo, que funciona como um equipamento para despejo de sangue, secreções ou materiais que ofereçam algum tipo de risco.

 

Coren/MT

RELATORIO COREM

No Hospital Adauto Botelho, portas com vidros quebrados deixam pacientes expostos

Outro problema constatado pela equipe jna unidade foi a superlotação: na ocasião da vistoria, 80 pacientes aguardavam atendimento na sala de emergências, que tem capacidade para 22 pessoas.

 

Além disso, o Coren-MT informou que o Pronto Socorro de Cuiabá conta com apenas dois enfermeiros e quatro técnicos de enfermagem.

 

Irregularidades já conhecidas da unidade de saúde também foram citadas no relatório, como estrutura física precária, falta de materiais básicos – como suporte de soro – e ausência de medicamentos.

 

A falta de cálculo para dimensionar a quantidade de profissionais necessários para os atendimentos também é citada em nove unidades.

 

Denúncia antiga

 

No Hospital Psiquiátrico Centro Integrado de Assistência Psicossocial (Ciaps) Adauto Botelho, na Capital, o Coren-MT voltou a relatar problemas nos banheiros da ala feminina.

 

O local está sem portas e com vidros quebrados deixando as pacientes expostas. As irregularidades já haviam sido denunciadas em um inquérito civil instaurado pelo Ministério Público Estadual (MPE), em março de 2018, para apurar suspeita de maus-tratos na unidade.

 

Conforme consta no relatório, o problema na ala feminina do Adauto Botelho segue sem solução.

 

Outro ponto citado no documento é o uso de faixas para conter pacientes em surto ou crise realizado fora do protocolo de segurança de enfermagem.

 

O relatório também aponta estrutura física precária, desorganização do serviço de enfermagem e vasos sanitários entupidos na ala masculina do hospital psiquiátrico, que elevam o risco de infecções.

 

Coren-MT

RELATORIO COREM 2

Pacientes da Unidade III do Ciaps sofrem com higienização precária

Também foram encontrados problemas na estrutura física da Unidade III do Ciaps, que, de acordo com o relatório, tem porta e janelas quebradas, além de higienização precária e falta de manutenção. 

 

Além de medicações vencidas, também não foram encontrados os materiais necessários para a reanimação dos pacientes psquiátricos, em caso de emergência. 

 

Falta de medicamentos e higiene precária

 

No Hospital e Pronto Socorro Municipal de Várzea Grande, localizado na região metropolitana de Cuiabá, além de medicações vencidas encontradas na Unidade de Terapia Intensiva (UTI), a equipe de fiscalização também relatou que os lençóis utilizados no hospital são dos próprios pacientes.

 

No relatório também consta a falta de sabão e álcool para lavagem das mãos dos profissionais de saúde.

 

A falta de funcionários para realizar a limpeza da unidade também fez com que as condições precárias de higiene fossem citadas no documento.

 

Uma obra no Posto de Enfermagem da Pediatria também aparece no relatório, já que um vazamento de água tem comprometido o atendimento no local.

 

Pacientes também foram encontrados internados em meio aos corredores do Hospital e Pronto Socorro Municipal de Várzea Grande, mesmo com leitos vagos em outros setores.

 

Na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do Pascoal Ramos, em Cuiabá, medicamentos vencidos desde o dia 31 de outubro do ano passado foram encontrados na Sala Vermelha, onde são realizados atendimentos de urgência e emergência.

 

Coren/MT

RELATORIO COREM 3

Materiais usados para atendimento próximos a alimentos de enfermeiros

A superlotação e um vazamento de água na sala de consulta foram alguns dos problemas relatados na Policlínica do Verdão, na capital. Além das irregularidades que afetam diretamente o atendimento aos pacientes, na unidade – assim como a Maternidade de Jacarandas, em Sinop – também apontaram que enfermeiros estão exercendo a profissão ilegalmente.

 

Um vazamento de água também foi citado no posto de enfermagem da Policlínica do Planalto, em Cuiabá. Na unidade também foram encontrados medicamentos vencidos na sala de emergência.

 

Hospital Regional de Sinop

 

O Hospital Regional de Sinop, que teve intervenção decretada pelo governador Mauro Mendes (DEM), no dia 17 de janeiro, também é citado por problemas na estrutura, falta de medicamentos e enfermeiros.


O salário atrasado há 90 dias é uma das irregularidades apontadas no relatório do Coren-MT.
 

 

O Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos de Saúde em Mato Grosso (Sessamt) formalizou uma denúncia à Justiça do Trabalho no dia 16 de janeiro.

 

Na denúncia o sindicato, que é responsável por representar funcionários do setor administrativo, portaria, vigilância e lavanderia do hospital, informou que todos estavam sem receber há quatro meses.

Inscreva-se